quarta-feira, 27 de abril de 2016

Review – Digimon Adventure Tri. (Sakai)

Gênero: Animação
Produção: TOEI Animation
Diretor: Keitaro Motonaga
Character Design: Atsuya Uki
Música: Yasunori Ebina / Go Sakabe
Duração: 1h36 min

Sinopse:
Faz seis anos desde aquela aventura de verão em que Taichi Yagami e o resto dos DigiEscolhidos atravessaram para o mundo Digital. E quase três anos se passaram desde a batalha final entre o grupo de Hikari Yagami e MaloMyotismon. Com o passar dos dias pacíficos, em algum ponto o portão para o Mundo Digital se fechou. Nem mesmo os DigiEscolhidos sabem o que causou isso, e o tempo apenas continuou a passar.
Até que um dia, um Kuwagamon de repente aparece em Odaiba. Sua fúria deixa a cidade em ruínas, e as pessoas de lá em tumulto. Taichi consegue achar o Kuwagamon, e o persegue depois disso sozinho, em um esforço para parar sua violência. Mas não há nada que ele possa fazer contra um Kuwagamon.‘Não adianta... Eu não posso fazer nada sobre isso sozinho...’Assim que o Kuwagamon ruge e ataca Taichi, seu Digivice começa a emitir uma luz brilhante...‘Tai, olha como você cresceu!’Com o som de uma voz nostálgica, a história uma vez mais começa a se mover de uma grande maneira.Mais uma vez,A aventura evolui

Considerações:


Digimon completou 15 anos em 2014 com direito a todos os mimos que só franquias com tal força tem direito, isso significa que, tivemos um belo evento para anunciar o que viria nos anos seguintes, e dentre os vários anúncios feitos, fomos informados que a TOEI estava trabalhando em uma continuação direta para Digimon Adventure. Em novembro de 2015 saiu o primeiro OVA (de uma série de 6) dessa continuação; chamada de Digimon Adventure Tri.
O primeiro episódio possui o título de Sakai (“Reunião” em portguês) e não poderia ser mais apropriado, pois realmente podemos considerar esse OVA, em um todo, como uma reunião com aqueles velhos conhecidos; mais do que isso, esse episódio aposta muito em nos mostrar, ao seu modo, como os digiescolhidos estão. Se passaram 6 anos desde o final das aventuras deles no digimundo e a paz reina para eles, é preciso primeiramente nos colocar a par de toda situação, para então nos mostrar o que vem a seguir. Digamos que tudo isso é empregado com maestria impar, sempre apostando naquela nostalgia, na saudade que tinhamos desses personagens. Até então todos estão lá, mais velhos, com problemas ainda mais palpáveis para a atualidade; temas que antes não eram aprofundados como sentimentos base para um relacionamento afetivo, agora são; a violência, até então artificio bobo, é mais enfatizada. Pessoas morrem, mesmo isso sendo implícito na animação.
É interessante ver o roterista entendendo que crescemos, que não somos mais os mesmos de 15 anos atrás e sabendo que isso influência mais em nossa percepção das coisas. Prova disso é o Tai hesitante após a batalha contra o Kuwagamon, batalha esta que deixa suas sequelas, mais do que isso, deixa um dilema: afinal, o quão nocivos são os digimons para o mundo real, pois por mais fofos que eles possam ser, suas lutas causam danos; isso já foi mostrado diversas vezes nas animações antigas, mas sempre tínhamos o retrato do bem vs o mal, do: “temos digimons bonzinhos”, agora o negócio é mais complicado e nos leva a ver que as coisas não funcionam tanto no “preto & branco”; porque há tons cinza. Não há bem e mal nivelado, tudo é base para quem não conhece temer.
Vale também a menção que, até então, tanto o Adventure quanto o Adventure two são válido nessa cronologia. Prova disso é na primeira cena, quando temos um rápido vislumbre de Davis e companhia limitada, comentar mais sobre esse vislumbre pode ser spoiler (talvez sim, talvez não), mas posso dizer que nossos protagonistas do two não estão em situação lá muito boa; outra prova disso é que os digivices do TK e da Karin estão do mesmo jeito que estavam na segunda temporada. Outro fato digno de nota é a falta de ação constante nesse OVA, tudo nele é feito com calma, a ação é relegada a dois momentos específicos e chaves para toda história.No mais tudo é focado em nos reintroduzir nesse universo digital; até os novos personagens são apresentados gradativamente e sem muito aprofundamento, justificado, uma vez que tem muito a se dizer, mas acaba sendo uma pequena falha no meio de muitos pontos positivos.
No fim o que se concluí é que esse episódio foi concebido como um prólogo para algo maior. É um ova que nos apresenta o cenário, os personagens e as novas regras, mas apenas isso, não se preocupa demais em explicar demais, nem em nos dar informações demais, ele apenas dá a ideia do que vem a seguir, nos deixando com dúvidas e com expectativas. Como um reinicio, Digimon Tri cumpre seu papel de nos reintegrar naquela nostalgia com um tom mais maduro, nos deixa com os olhos marejados e aquele sorriso bobo que só temos ao rever os velhos amigos e as pessoas importantes, e além disso nos dá aquele gosto de quero mais, aquela sensação de que teremos algo que compense a última temporada que saiu.

O segundo ova tem previsão de sair em Março desse ano e pelo pôster já divulgado, podemos esperar, pelo menos, mais duas megas digivoluções. Agora é apenas acreditar que dessa reunião, teremos a determinação para algo bom. Do fundo do coração, Toei, dessa vez eu acredito em você.
Postar um comentário