quarta-feira, 25 de maio de 2016

Review - Black Bird

"Meu desejo é apenas um. Ter um futuro ao seu lado" (Vol. 15)



Certamente 2013 foi o ano de finalizações aqui no Brasil de diversos mangás que marcaram de algum modo. Entre eles, um dos que mais me marcou terminou a cerca de 3 meses e mesmo assim ainda deixa saudades, pois quando comecei a coleciona-lo não fazia ideia do que se tratava a história (só sabia que era Shoujo) e comprei por impulso curioso e, com toda sinceridade, depois de três anos de publicação posso dizer que a obra me cativou por completo e merece estar tendo esse estante justamente no aniversário do Dollars. Ouvintes e leitores, tenho a honra de anunciar que o estante de aniversário é sobre Black Bird. (tá no título, só lerdo não notaram q)
Criado por Kanoko Sakurakouji, Black Bird começou a ser serializado na revista feminina Betsucomi da Shogakukan em Janeiro de 2007 e foi até Março de 2013 rendendo 18 volumes encadernados, além do mangá a obra ainda rendeu uma light novel que saiu em 2010 com o título "Black Bird - Missing-" e um CD drama que saiu em 21 de janeiro de 2009. No Brasil, apenas o mangá foi publicado pela Panini comis, pelo selo Planet mangá, em sua totalidade de Maio de 2010 até setembro de 2013.
Sinopse (Via Wikipédia):"O mangá conta a historia de Misao Harada, uma garota que desde criança consegue ver seres sobrenaturais que apenas ela via. Esses seres se divertem atormentando-a: puxam seu cabelo, a fazem tropeçar e se penduram nela (dificultando sua locomoção), fazendo com que ela pareça alienada e desastrada. Por ser a única que os via, Misao se sentia muito solitária até conhecer o filho de seu vizinho que também podia vê-los e a defendia deles. Um dia ele teve de partir, deixando a promessa que um dia retornaria para busca-la. Ele foi seu primeiro amor e, apesar de Misao não conseguir se lembrar de seu nome ou rosto, ainda guardava essas lembranças com carinho e desejava revê-lo. Com o tempo, a jovem aprende a ignorar essas criaturas para tentar levar uma vida normal.
A história gira em torno de uma “lenda” entre os Youkais: A cada 100 anos, nasce um humano com o “poder” de potencializar o poder de qualquer Youkai, conhecido como Senka Maiden (O Fruto Sagrado) ou como O Fruto da Imortalidade. O Youkai que beber seu sangue prolongará sua vida, o que comer sua carne terá a imortalidade, e o que a tomar como esposa trará prosperidade a todo seu Clã. Ao completar 16 anos, Misao descobre ser a Senka da vez, e agora que suas “habilidades” despertaram, Youkais de todo o Japão viram atrás dela! Para sua sorte, Kyo, seu amigo da infância, finalmente retorna e volta a protegê-la. Para aumentar o desespero da garota, Kyo se revela como um Youkai, que, ainda por cima, a quer como esposa."
Depois dessa sinopse perfeita (sério, o Wikipédia tem boas sinopses e é melhor que as minhas DDD: *Chorando em pose fetal*) acho que nada mais justo que eu tecer meus comentários sobre a série e falar se vale o investimento feito. Primeiramente devo deixar claro que mesmo eu sendo fã incondicional da obra, nutro uma imparcialidade imensa com ela, pois ela faz por onde eu amar e não conseguir ficar puxando saco pela qualidade.
 A obra tem uma gama muito forte de personagens que te envolvem e te fazem se envolver com o roteiro que é escrito com toda maestria da tia Kanoko, vale de ressalva que, apesar de ter um tempo com mangás como ela nos deixa claro, o mangá segue bem, porém com muitas escorregadas bobas, não que seja ruim, mas acaba deixando aquele clima estranho. Entendo que, talvez, seja a primeira série longa da Sakurakouji, mas é preciso rever isso para futuras obras, pois muitos momentos surgem situações meio inconsistentes com o que havia sido fixado.
Outro ponto que merece uma analise é a taxa de sexualidade da obra, mesmo que implicita, pois apesar de ser shoujo, muitos momentos ela beira ao Steamy Shoujo (gênero que tende a ter mais apelações para o lado sexual :3). Não que seja ruim, muito pelo contrário, até acaba sendo interessante,mas tem cenas que parece ser meioforçação de barra, mas ainda sim diverte.
Em nosso querido Brasil a obra saiu pela Panini com a qualidade gráfica de sempre (Pisa-Brite 48g, contra capa colorida (isso lá para a edição 13) e glóssario) e a tradução ficou a cargo da Karen Kazumi (já falei sobre ela no post de DNAngel q) que fez um excelente trabalho de tradução e deixou a obra bem fácil de ser lida e compreendida. Um único ponto que negativo é que no começo da publicação teve alguns errinhos básicos de impressão e coisas bobas, que foram sendo corrigidos (meu volume 2 tem cerca de 6 páginas EM BRANCO), porém nada que estragasse a diversão.
No fim o saldo da obra foi positivo e houve um considerável sucesso aqui no Brasil, um fato que comprova isso é que dificilmente você achará os 7 primeiros volumes nas bancas e/ou lojas especializadas (quero saber o que o povo que falava da Misao chorando em quase todas as capas tem a dizer u_u). De modo geral esse foi um shoujo que marcou de algum modo todos que leram e que deixou sua marca, recomendo para todos que dêem uma chance, pois não vai se arrepender.

"Para todos os ayakashis das próximas gerações que vierem a amar a senka que ainda há de nascer deixo este registro." - Senka-Roku versão Usui (Vol. 18)
Postar um comentário