segunda-feira, 25 de julho de 2016

Análise semanal - Bleach #683

The Dark Side of two world ends

Fala pessoas lindas e cheirosas! Tudo bem com vocês? Espero que sim e, desde já, que vocês me desculpem o atraso. Sei que demorei (muito) para escrever/postar essa análise, mas teve um “bom motivo” para isso; pois fui ler algumas coisas relacionadas ao mangá para tentar dar uma análise melhor elaborada.
Enfim, antes de começarmos, quero apenas dizer que essa é uma análise com data para acabar, pois o último capítulo do mangá tem previsão de sair entre 8 e 15 de agosto; logo, a última análise deve sair até dia 17 de agosto. É isso (por hora), agora vamos à análise porque esse capítulo foi interessante (para os padrões de Bleach).

Capítulo 683 – The Dark Side of Two World Ends

Estamos na reta final, mais precisamente perto do juiz soar o apito que indica o final de toda saga de Ichigo Kurosaki e, mesmo assim, Kubo Tite se mostra uma pessoa que consegue me deixar em dualidade de sentimentos. E dualidade está, extremamente desnecessária, em especial se puxarmos todo histórico de Bleach ao longo de seus 15 anos.
Mas enfim, resumindo o capítulo: ele se baseou apenas na luta contra o Yhwach. Só isso, com um plot twist interessante, que me deixou com a sensação de ideia esperta e burra AO MESMO TEMPO; porém antes que você, querido leitor, fique se perguntando o porquê disso, já deixarei a explicação: A ideia é esperta, porque utilizou bem a habilidade da Kyouka Suigetsu e, burra porque fez isso com um cara que, teoricamente, pode prever e mudar o futuro antes que ele ocorra. E é nesse ponto que mora o maior problema, pois se ele prevê o futuro e tudo mais, ele deveria saber como se precaver quanto a essa habilidade, no mínimo.
Fora isso, é importante salientar que esse capítulo é bem parecido, em estilo narrativo, com o 391/392 (ambos capítulos estão no volume 45 do mangá, para quem quiser conferir e tiver o volume físico). Ambos se utilizam das ilusões da Zampakutou do Aizen para finalidade de derrota dos opositores desse personagem e a diferença crucial, nesses casos, é o fim que se dá a toda ação. Nesse capítulo temos uma luta rápida e em momento nenhum notamos o Aizen empunhando sua espada; e quando percebemos já é no final do capítulo quando temos um momento de surpresa para o líder quincy.
Esse foi um capítulo que não houve destaque ou tempo para dar aquela bocejada habitual, ele foi rápido e disse o que tinha para dizer nas suas 19 páginas. Não que isso seja o padrão Kubo, mas mostra que ele quer encerrar isso de um modo mais rápido e, nesse momento, isso é o mais assertivo. Até para não cansar (mais) quem ainda acompanha a obra. E isso me vem a outro ponto de debate: Afinal, Bleach foi cancelado ou esse final é o idealizado?
Vou dar MINHA OPINIÃO QUANTO A ISSO, ok? Ok. Tendo isso em mente, bora para eu tecer meus comentários (rápidos) sobre isso:
Ao meu ver, Bleach não foi cancelado. Até pela importância que a obra tem para a Jump, creio que o Kubo apenas decidiu acelerar o ritmo, pois notou que do jeito que estava indo a obra só se desgastaria mais e mais, logo é mais viável acabar quando você ainda tem um pouco de crédito com quem lê sua obra. E, quem acompanha esse arco desde o começo sabe que o Kubo queria produzir um arco de até 5 anos (tempo da saga Arrancar), logo, podemos dizer que ele conseguiu esse objetivo.
Bem, essa análise está bem diferente do habitual porque não acho que possa falar muito desse capítulo sem dar spoileres em cima de spoilers. Mas para todos encargos na próxima análise tentarei voltar ao padrão mesclado. Mas em todo caso, estamos nos momentos finais da obra e o final tende a ser bem interessante. Mas vamos um passo de cada vez.
Postar um comentário