terça-feira, 9 de agosto de 2016

Análise quinzenal: Saint Seiya – Episódio G Assassin #58

Yao Dao
Senhoras e senhores! Meninos e Meninas! Crianças e crianços depois de muito tempo sumido, cá estou eu, de volta, com a análise de CDZ episódio G Assassin. Sei que demorou um mês fechado para sair, mas prometo que evitarei demorar tanto assim.
Antes de seguirmos apenas um adendo: no mês que passou tivemos dois capítulos na cota, porém como o segundo capítulo que saiu foi um especial, comentarei ele aqui, porém a parte, ok? Ok.

Dito isso, bora analisar o (s) capítulo (s).

Capítulo 58 – Yao Dao

E a luta contra ChakraVatrin continua a todo vapor, ou não. Mas uma coisa é certa, o Okada está sabendo fazer um clímax bacana para essa luta e esse começo de capítulo prova bem isso; pois temos um Shura à beira da morte, em decorrência de seus ferimentos, e seu adversário certo de sua vitória (de certo modo).
As páginas seguintes mostram o gladiador desferindo uma série de golpes na intenção que o santo de ouro morra de uma vez e quando este chega ao limar de suas forças ele, novamente, é dominado pelo chamado da "morte”, ou de Behemoth. Agora é o momento da explicação: em uma das lutas anteriores ele já havia sido dominado por esse lado/chamado, que nada mais é que sua versão de sapuris (ou seja, é quando sua consciência perde a vida e ele é dominado por sua persona maligna que se vendeu à Hades).
Óbvio que, se você reparar as pontas que deixei aqui, você já sacou que a linha temporal da história ocorre após saga de Hades, logo todos os cavaleiros de ouro estão mortos; ou seja, eles nessa linha temporal sofrem devido ao fato de seus corpos não pertencerem àquela realidade; o Shura mesmo já havia sido advertido sobre isso e tem plena ciência que se ele se deixar levar será mandado para o submundo novamente.
Voltando à história: quero apenas dizer que, na última vez que postei, palpitei que teríamos um personagem sendo introduzido na história e, em partes, eu acertei. Tivemos sim uma introdução de personagem, porém é personagem novo (Aeeeeeeeeeeeee!) e isso, de um modo geral, foi válido; em especial quando sabemos que ele tem a ver com o passado do Shura. A ideia foi acertada, muito bem acertada, diga-se de passagem, porque isso foi algo que não havia sido explorado no cânone e estávamos precisando (até porque, qual a graça de spin-off sem acréscimos ao original?).
Outro ponto positivo, dentro dessa inclusão do mestre do Shura foi a explicação sobre as espadas. Sei que deve ter fã que não curtiu, mas eu, particularmente, gostei e achei válido a explicação. Enfim entendemos mais sobre as espadas sagradas e tudo mais. Creio que, se o Okada souber usar isso a seu favor, teremos algo para ser bem aproveitado e explorado e, só por isso, vale 1% mais a pena continuar lendo.
Depois de tudo isso, ainda temos um final de capítulo com o Shura se reerguendo e se preparando para continuar a luta, dizendo que possuí uma espada chamada vida. Sinceramente, eu tenho fé que essa luta vai terminar de uma maneira legal e não de uma maneira cagada, igual à do Lancelot (ainda não engoli aquele final de luta com a Tomoe salvando ele e dando a armadura de câncer), mas é esperar para ver o que nosso querido Megumu nos dará nos próximos capítulos; porque o outro capítulo que ele lançou foi um especial que vou comentar, rapidamente (ou não) abaixo.

Capítulo especial – 58.5

Como dito no parágrafo acima, esse foi um capítulo especial que saiu e, em resumo, é focado no Hyoga e no Shura relembrando de seus mestres. É um capítulo bem simples e básico, não creio que acrescente MUITO NA história, porém admito que achei todo tom dele bonito.
Foi gostoso ver que o Shura guarda os ensinamentos de seu mestre e carrega aquilo para todo vida, assim como foi divertido vê-lo a procura de um emprego justamente no bar que o Hyoga trabalha. Sei lá, como leitor do mangá e fã da saga, achei que esse capítulo valeu pelo momento calmo.

Outro destaque (válido para os fudanshis e fujoshis) é que a “filha” do Hyoga chama o Shun de MÃE! Sim querido leitor, você não leu errado... A PEQUENA NATASSIA CHAMA O SHUN DE MÃE! Sério, acho que isso me surpreendeu mais do que qualquer coisa até aqui; e isso comprova que o Okada-sensei shippa os dois como um casal (?)
Talvez, mas enfim... agora é esperar o próximo capítulo, no qual voltaremos à luta e, após isso, tentarmos descobrir onde esse especial se encaixa. 

Postar um comentário