quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Primeiras Impressões - Yakusoku no Neverland

O mistério da jump sobre crianças órfãs

Chegamos em agosto e, desde semana passada, entramos em uma nova safra de mangás da Shonen Jump (aquela revista que vende MILHÕES e todos amamos); “e o que nós temos a ver com isso, Paulo Ikari? “ Você pode me perguntar; e eu respondo: “Tudo, pois teremos primeiras impressões dos títulos novos”.
Você não leu errado, eu farei aquela primeira impressão sagaz dos novos mangás da Jump e irei, de certa forma, lhe guiar pelo caminho das pedras no que é bom e o que não é (não que meu critério seja dos melhores, mas tentarei ser mais honesto que mureteiro aqui).
Sem mais delongas vamos falar do primeiro título. Essa obra estreou na Issue de número 35 e é considerada, por muitos que leem, um dos lançamentos mais promissores dessa safra. Senhoras e senhores, vamos falar hoje de Yakusoku no Neverland, ou The Promised Neverland. Peguem suas pipocas e vamos nessa.

Sinopse (Via Kyodai Scans):

O mangá narra a história de três crianças que vivem em um orfanato e são criadas por uma certa mulher que dedica sua vida cuidando de várias crianças. Porém, por algum motivo, as crianças são proibidas de saírem de lá, qual será o mistério por trás de tudo isso?

Considerações (ou, vamos explorar o mundo):

Vamos lá; esse é o mangá que teve mais hype de todos que irão sair e, de um modo geral, posso afirmar que o hype é justificado e a expectativa é correspondida naquelas. É válido a menção logo nesse início que eu li o capítulo assim que traduziram, mas antes eu fui caçar em fóruns a recepção que a obra estava tendo e foi engraçado ver como a galera lá de fora reage a séries novas, pois dá para notar claramente que essa galera de fórum espera muito de novas séries da Shonen Jump e, caso não tenham essa expectativa correspondida, reclamam e até criticam de modo mais pesado a obra.
A obra é escrita por Kaiu Shirai e desenhada por Posuka Demizu, ambos novatos tentando a sorte em sua primeira série. Cabe citação que o Posuka, apesar de novato, já divulgava sua arte via sites de desenho (devianart e afins) e isso ajudou a alavancar sua popularidade, tal qual aumentou muito o auê em cima de Yakusoku no Neverland, pois você tem um gênero que depois de Death Note não trouxe nada de forte para Jump com dois novatos, porém o novato do desenho já é conhecido por sua arte bonita; óbvio que você tem algo com muito potencial, mas é preciso saber se esse potencial realmente existe e, caso exista, se é aproveitado. E, sendo bem honesto com vocês, sim há potencial e, de certo modo, é entregue tudo que esse potencial pede, porém, a medida que eu for explicando melhor sobre esse capítulo inicial, deixarei a ciência sobre algumas críticas que foram feitas e eu concordo.
Esse primeiro capítulo nos introduz, com maestria, ao orfanato onde nossos protagonistas se encontram e nos apresenta, de modo objetivo e bem executado, a eles. Temos nesse ínterim, a explicação sobre como funciona o sistema lá e o mistério da série nos é apresentado antes do meio da história, pois o espaço do orfanato é grande e tudo mais, porém os órfãos não podem sair do orfanato até completarem 12 anos, sem contar que sempre fazem testes diários e possuem números de identificação.
Mesmo com esses números eles ainda possuem nomes, e nossos protagonistas são um trio bem peculiar, pois temos a Emma, o Norman e o Ray que são crianças prodígios, sempre com boas médias e cada um deles possuí um foco de genialidade diferente (em resumo: um é um cara tático, o outro uma enciclopédia humana e a Emma tem uma capacidade de aprendizado imensa e rivaliza diretamente com os dois). E aqui é onde mora uma boa qualidade, mas se não for bem trabalhada pode virar um problema, pois os três são geniais e mesmo assim parecem meio rasos em alguns momentos (na realidade, o Ray é o menos explorado, parece que está ali só de apoio).
O mistério em torno do porquê eles não podem sair do orfanato fica mais alto perto do final do capítulo, porém é com esse final de capítulo que mora uma questão que, a meu ver, pareceu uma possível saída estratégica para o caso de dar merda, pois no final é meio que deixado a questão de tempo, porque devido a um acontecimento a Emma e o Norman decidem que devem fugir do orfanato, entretanto eles só têm um ano para fazerem isso; uma vez que aos 12 anos eles sairão do orfanato pelas regras do mesmo (sério, leiam para saber o que ocorreu, não vou dar spoiler). E aí mora a dúvida crucial: quanto tempo o roteirista consegue manter esse suspense sem se sabotar? Porque aqui ficou bem construído e despertou a curiosidade, porém o problema fica em saber se ele consegue manter esse pique e esse clima, pois não adianta começar bonito e degringolar ladeira abaixo, é preciso saber manter o público preso, em especial quando você parece ter feito o dever de casa. Um dos fatos que mais li gente comentar foi justamente o roteiro e o suspense da obra, pois, para os padrões da SJ, a obra é muito séria; não é mentira e, em partes, concordo que para ela sobreviver na revista será difícil, em especial porque a seriedade desse primeiro capítulo pode afastar o público que deseja algo mais leve, mas tenho crença que a obra possa se sobressair, pois um dos suspenses mais famosos (Death Note) saiu das páginas da Jump e possuí uma pegada mais séria.
Apenas para salientar que, apesar de muitos endeusarem o desenhista, eu achei o traço dele ok. Não é algo que encha os olhos, mas cumpre seu trabalho e nos entrega personagens agradáveis e sem oscilações no traço. Sei que com o tempo o traço tende a se aprimorar e ficar cada vez mais bonito, mas queria deixar esse toque, pois uma das coisas que mais li foi sobre a arte e ela não me pareceu tudo isso, sendo bem simples até.

Veredito (ou: afinal, vale a pena?):

Depois de toda propaganda que eu fiz (sem criticar muito até) acho que ficou bem claro que eu recomendo a obra para quem deseja ler um mangá com um plot interessante e meio diferente. Não que seja O mangá inovador, mas para os padrões Jump da atualidade, ele cumpre bem seu papel e mostra que a receita do bolo está sendo seguida à risca.

Se o público irá aprovar ou não, só saberemos daqui a algumas semanas quando começarem a ranquear a série e quando o 1º encadernado sair, até lá... tudo será apenas especulação, mas, de coração, desejo que a série vingue, pois precisamos de mais obras com fundo de mistério.
Postar um comentário