User-agent: Mediapartners-Google Disallow: User-agent: * Disallow: /search Allow: / Sitemap: https://projectdollarscast.blogspot.com/sitemap.xml Review - Mirai Nikki (especial: Revival de posts) - DollarsCast

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Review - Mirai Nikki (especial: Revival de posts)

Mudar o futuro nunca foi tão empolgante (Mentira)

Hey People! Olha quem voltou para outro post empolgante (Só que não né). Essa semana em clima venho com uma resenha aproveitando o cast da semana, então, como vocês já leram no título, a resenha de hoje é sobre Mirai Nikki (!!!). Antes de qualquer coisa aviso que aqui conterá meu parecer sobre a história e a qualidade do mangá que sai no Brasil pela JBC, ou seja, leia por conta e risco. E agora, se acomodem e vamos vislumbrar o futuro.
PS: Antes de prosseguirmos, devo avisar também que as opiniões aqui se baseiam apenas NO MANGÁ. Então sem mimimi nos comentários Ok? Ok.
PS²: Esse post, originalmente, foi concebido na época do lançamento da obra. Tudo aqui foi revisado (na questão gramatical), peço perdão por possíveis erros que tenham passados despercebidos.

Tecendo a ideia de futuro (O Início de toda essa história louca)

Criado por Sakae Esuno, Mirai Nikki foi publicado na Shonen Ace (lar de Deadman Wonderland, Evangelion, Bem-Vindo à NHK, etc) de 26 de janeiro de 2006 até 27 de dezembro de 2010, sendo concluído com 59 capítulos compilados em 12 volumes. Além dos 12 volumes ainda temos dois volumes de Spin Offs (Mirai Nikki Paradox e Mirai Nikki Mosaic).
Em outubro de 2011 estreou, no Japão, a versão animada da série que foi até abril de 2012 rendendo 26 episódios produzidos pelo Asread com direção Naoto Hosoda. Aqui no Brasil a obra foi anunciada na comix fest de 2012, chegando nas bancas em janeiro de 2013, com o mesmo número de páginas da versão japonesa, páginas coloridas no começo dos volumes e uma impressão bacanuda.

Sinopse (By Wikipédia)

Yukiteru Amano é um garoto comum, que tem uma vida não muito agitada. É o tipo de pessoa que se exclui da escola e dos amigos e que prefere ficar o dia inteiro mexendo em seu celular. Não que isso seja muito diferente da realidade que vivemos hoje, mas Yukiteru tem um motivo em especial para fazer isso: seu celular é seu diário, e nele descreve tudo que acontece em seu dia-a-dia. Porém o lado "estranho" de Yukiteru não para por aí. O garoto é tão recluso que acaba entrando em um mundo "dentro de seu pensamento". Ou ao menos era isso que ele pensava, que tudo não passava de um sonho.Um dia, em um desses "sonhos", Yukiteru acaba sendo convidado para um “jogo” pelo Deus Ex Machina, criatura soberana criada dentro da mente do garoto. Achando que tudo não passava de um delírio, o garoto acorda e percebe que seu celular tinha anotações que não eram dele, que relatavam o futuro! O tal Deus Ex Machina não era um delírio, afinal, e agora Yukiteru é o portador de um diário do futuro (Mirai Nikki) e terá que proteger tal item até a morte. Isso mesmo: caso o celular seja destruído, Yukiteru também será morto.O grande problema é que agora ele está envolvido em um jogo com mais 12 pessoas que também possuem um diário e que terão que se enfrentar para ganhar o direito de serem o novo Deus. Um terá que matar o outro no maior estilo “guerra de sobrevivência”. Yukiteru estava assustado… Mas só estava, porque seu medo aumenta em dobro depois que ele conhece Yuno, uma garota psicótica que, segundo ela mesma, protegerá Yuki até a morte.

Considerações iniciais (Ou como explicar que essa história é boa)

Primeiramente, devo confessar que esse mangá não é nem de longe meu top 10 e que tive um pequeno problema na hora de analisa-lo pelo simples fato de que ele se impõe como mangá sério, mas deixa muito em evidência que é apenas um shonen básico que entretêm. A ideia do Esuno é, de certa forma, foda demais, porém se perde logo no começo, não que seja ruim de fato, a curto prazo é bom, mas desmerece toda a grandiosidade que ele deixa transparecer no freetalk do primeiro volume. Sem contar que não tem um protagonista que convença (de certa forma todos os protagonistas de mangá publicado na Ace que li até hoje não convence muito, basta olhar o Shinji e o Ganta e ver o que estou falando), dando todo brilho para a co-protagonista e para os secundários.
Confesso que consegui ler os dois volumes que tenho duas vezes de modo rápido e a única coisa que senti foi que me divertiu, porém nas duas vezes que li a obra (li e reli só para essa resenha) senti o desconforto pelo fato dela tentar vender a seriedade (sei que estou sendo repetitivo nisso, mas vocês entenderão o motivo de tal ênfase a seguir) que não possui, ou seja, o plot, desde o começo, não é vendido como um mangá de "ligue o foda-se estamos entrando em uma história non sense com sangue e mortes e foda-se a realidade" ela é vendida como aqueles seinens foda que te fazem refletir. Admito. Eu refleti. Refleti lendo primeiro freetalk, pois ali está contido tudo que o Esuno tinha na cabeça de fazer, ele queria mexer com nossas cabeças, fazer a gente se pegar pensando em como nos seria útil um bendito diário do futuro e como faríamos uso dele para nosso bel prazer, mas em algum momento, logo no começo, essa ideia se perde e tudo vira uma loucura sem direção exata. Mas é essa loucura que entretêm, e isso é fato.
O outro ponto negativo que comentei no primeiro parágrafo, que também foi outra errada de mão do autor foi o protagonista. Assumo que já vi personagens chorões, mas acredito que o Yukiteru extrapola os limites, é difícil, pelo menos no começo você se apegar a um protagonista daquele nível, sei que muitos dirão que ele é como qualquer pessoa, mas ainda assim ele não passa confiança para protagonista o que faz com que a Yuno (co-protagonista) roube toda a cena e faça com que essa história fique divertida e renda alguns momentos bacana, creio que sem ela a história não fluiria do modo que flui e a história ficaria pobre demais. É a nossa personagem Stalker e Yandere que, em muitos momentos, deixa a violência fluir solta e faz com que as cenas de ação consigam nos prender por mais uns 3 minutos na leitura. Além dela, alguns dos secundários roubam a cena com suas estratégias mirabolantes. Só que no fim o saldo ainda sai negativado pela falta de aproveitamento da ideia.

Considerações finais (Dando uma opção de futuro sem Dead End)

Ok. Esse é o momento que deixo minhas considerações, se você teve saco para ler tudo que disse deixo aqui meu parecer final sobre a obra do Tio Esuno. Sendo curto e grosso, se você quer um mangá cabeça FUJA dessa obra, sério! Tem coisa muito melhor e mais barato, até na própria editora JBC, que justifique a compra, pois são pouquíssimos momentos que salvam a obra em mangá (no animê, me baseando no que assisti, só salva a opening e a ending). Sem contar o fato de que é uma obra que é voltada, claramente, para quem está começando agora, ou seja, otaku com muitos mangás sério lerão com ódio nos olhos.
De modo geral, me diverti lendo os dois primeiros volumes, gostei em termos da ideia da série que, mesmo sendo mal abordada, te deixa com um meio sorriso no canto da boca. Pode ser fraco, sem um personagem carismático, mas ainda sim tem seus fãs (Justifico que é culpa da Yuno essa febre toda que abateu sobre a série) e para eles é que a Obra será bem-vinda.

Recomendo, APENAS, se você não tiver tido contato com a Obra ou se for SUPER FÃ da obra, caso contrário compre Rurouni Kenshi que está no mesmo preço e é melhor.
Postar um comentário