segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Editorial - Minha Retrospectiva de aniversário (Parte I)

Aquele texto emotivo e analítico (?) do editor chefe

Bem, se você abriu esse editorial esperando um começo igual os outros, te peguei! Esse aqui não terá começo igual os outros e nem será igual, sabe por quê? Por que hoje é dia de falar com vocês em um papo mais descontraído e amigo; é mais para eu me apresentar direito, fazer um rápido balanço das coisas até aqui e, acima de tudo, dar meu start em mais um ano de Dollars.
E nesse ano completamos 5 anos de estrada (Sério gente é tempo para um senhor caralho), mesmo com uma pausa de alguns meses (quase um ano), estamos voltando. O blog já está aí com postagens regulares e o podcast volta logo mais, enfim... vamos ao que interessa
O que interessa aos leitores? Então é eu que assumo! .
É, avisando que vou fazer algumas brincadeiras nesse post (as frases em colchetes), então espero que curtam. Há, coloquem essa música para tocar enquanto leem o texto A música está aqui.


Começando pelas apresentações formais: Me chamo Paulo Raposo, porém no Dollars (assim como em toda interwebs desde o saudoso fórum do animê pró) sou conhecido como Paulo Ikari; tenho, atualmente, 23 anos. Como eu já disse, em outro editorial, escrevo para blogs desde idos de 2008, com o “Conexão Otaku” e sigo nesse caminho da blogsfera. Atualmente sou editor – chefe do Dollars, mas também trabalho no ramo imobiliário (sou corretor de imóveis), logo não tenho o dia a dia mais tranquilo na minha mente... o que me torna um workaholic, que só pensa em trabalhar.
Talvez, por isso, eu esteja confortável com a solteirice e com o foco fixado apenas em curtir minha família e meus trabalho... but...~
Acho que é válido eu comentar que, 99,9% dos editorais que escrevi já visavam alguma das coisas que irei falar aqui. Se não leu, vai na área de colunas e leia todos, garanto que irá valer a pena. São textos bacanas.

Enfim... vamos ao ponto: Quando a ideia do Dollars surgiu, lá em 2011, nem eu e nem o Kako (que era o outro fundador) pensávamos que teríamos lá tanta repercussão ou os amigos que temos hoje; mais do que isso, nem pensávamos em ter o Dollars por tanto tempo; e foram tempos de altos, baixos, correrias e situações inusitadas, mas renderam bons momentos, bons amigos e, mais do que isso, o nascimento de uma família.
Mas, após 3 anos e muitas mudanças, eis que acabamos por rebotar o projeto e tentar voltar as raízes. E, a princípio, tudo parecia se ajustar, porém não foi bem assim. Até porque, nada nessa equipe é fácil (cast de top 5 Shoujos prova bem isso... altos bugs).

Mais do que não ser fácil, a priori, nossa equipe se dividiu em duas. Kako & Luigi foram cuidar do Vórtex (projeto falecido), já eu e a Yuuki ficamos a cargo de retornar o Dollars em todo seu esplendor. Claro que não foi uma tarefa fácil... na realidade foi estranhamente simples; todavia a vida... é uma caixinha de surpreas.  
E foi em uma dessas que virei o líder da equipe. É amiguinhos, como em toda minha vida, não virei líder como prioridade. Fui opção (tem uma galera que não vai gostar disso), mas superei e estou tentando fazer as coisas do melhor modo... não que eu me ache O LÍDER, até porque muitos esperam um líder que mande e eu sou mais de ser o cara ponta de lança, que não fica usando os outros como escudo. Gosto de estar à frente e resolvendo tudo, claro que isso me rende muitas broncas

Uma cena que retrata minha situação no Dollars
Fora tudo isso, creio que nesse período sendo blogueiro e estudando jornalismo (sim, estudo isso, apesar de, atualmente, não estar cursando) acabei saindo da minha zona de conforto literária. Já comentei sobre isso no editorial de superação de pré-conceito, mas quero ceder uns pontos para isso, pois é algo que faz parte do que sou atualmente e do que vocês, que nos conhecem a mais tempo, verão do Ikari nesse ano de 2017. Sinceramente, acho que comecei a deixar os conceitos formados sem conhecimento de lado, em idos de 2015... quando decidi que lerei Saint Seiya Next Dimension.
Ok, a experiência em ler aquilo continuou sendo horrível, Kurumada é péssimo com roteiros, mas graças a essa pequena porta que me abriu um mundo para rever coisas que eu nem pensava em ver e até conhecer outras que muitos nem notam. Foi graças a essa pequena fagulha que me encantei por Medaka Box, Hinomaru Zumou & Rikudou; graças a isso que eu tomei vergonha na cara para terminar Aoi Bungaku e comecei a caçar coisas mais desconhecidas pelo grande público. Eu passei a ser alguém que procura mais material para entreter a todos.
Meu ano de 2015, em um todo, foi um ano para me conhecer mais e ver que, tem uma vastidão de obras que eu pouco lia ou notava. Tanto que é engraçado quando lembro que passei minha viagem de fim de ano (de dezembro de 2015 a janeiro de 2016) lendo várias obras distintas antes de dormir: Beck, Household Affairs, H-Mate, Kekkaishi, o próprio Medaka Box, Shounen Shoujo; isso só para citar alguns. Fora os que li ao longo desse ano de 2016: Smokin' Parade (MELHOR CENA DE GORE PARA UM PRIMEIRO CAPÍTULO!), Platinum End, Yakusoku no Neverland, Tokyo Kigo Tanpou, Rikudou, Sousei no Onmyouji e por aí vai. Em um saldo total, dá para dizer que, nesse ano que fiquei parado apenas planejando o retorno e nesse ano atual, tive um saldo de leitura e pensamento muito diferente do habitual (ok, ainda sou o Paulo Ikari idiota, mas aprendi a aprimorar meu gosto; talvez não seja perfeito, mas já é melhor).

Aquela frase motivacional
E ainda falando em saldos de 2015/2016 (sim, falarei de ambos anos): posso dizer que esses foram os períodos mais divertidos/estranhos da minha vida. Sei lá, é algo que não dá para explicar de modo resumido, mas ainda assim é único. Mas são coisas simples, mas que me deixaram mais motivado.
Sei que vai parecer hipocrisia falar isso a essa altura do campeonato, mas até aqui, de algum modo, toda a família está do jeito que eu queria. Sei que a caminhada não foi fácil e o saldo até a data de hoje prova bem isso, mas espero que vocês que leem esse texto aguardem ansiosos, pois 2017 virá com muitas mudanças para o Dollars. E boas mudanças, até porque essa equipe atual é A MELHOR E MAIS FODA EQUIPE QUE VOCÊS VERÃO NA PODSFERA BRASILEIRA! E, parafraseando Medaka Box, mais precisamente uma frase do Zenkichi: “Se você acha que sou forte, se engana... deles, eu sou o mais fraco”

Enfim, por hora é isso... o texto ficou grande para caralho e ainda terá parte II, então até breve e qualquer coisa se lembre quando eu cheguei já estava assim, não é minha culpa
Postar um comentário