sábado, 14 de janeiro de 2017

Primeiras Impresões - elDLIVE

Akira Amano e seu habitual humor voltando à telinha

Fala galera (sim, voltei para o habitual)! Tudo tranquilo com vocês? Espero que sim, pois aqui está tudo tranquilo e fluindo (como podem ver, parei de protelar, apesar de, aos poucos, afundar no vício do Yu-gi-oh! Duel Links; porém isso é assunto para outro momento). Enfim, dando continuidade à minha promessa de primeiras impressões das obras que assisto nessa temporada, hoje vou falar de uma que, particularmente, eu já tinha um pequeno hype, em especial por ser de uma autora que eu gosto.
Pois bem, então se assentem e vamos falar de elDLIVE, a obra mais recente de Akira Amano. Chamem seus amigos (aliens) para ler com vocês esse texto amalucado!

Sinopse:

Chuuta Kokonose é um orfão que vive com sua tia. Desde quando consegue se lembrar, ele tem uma voz na cabeça, fora isso ele é um garoto normal, ou seria, até o dia em que uma coisa estranha o seguiu até casa e teleportou ele para um lugar cheio das mais fantásticas criaturas. É uma estação policial, onde Rein Brickke, Comandante do Departamento do Sistema Solar, fala que ele foi selecionado, por um computador, como um possível candidato para se juntar à força policial. Misuku Sonokata, uma garota da escola de Chuuta, com um rosto angelical e um gênio que a colocou como a primeira subordinada de Rein Briccke, não pensa nele como aceitável para o cargo. Chuuta, após ficar chocado, decide aceitar o teste de aptidão após ser motivado pela voz em sua cabeça e para provar que Misuzu está errada.

Considerações:

Sinceramente, devo admitir que estava com saudades de algo feito pela Amano-sensei com aquele jeitão dela, sentia falta daquele humor pastelão que você perde 20 minutos, dá risada quando vem a gracinha e simpatiza com o enredo, mesmo quando a parte falha dele atende pelo protagonista caricato. Claro que nem todas as pessoas veem isso como um problema, mas tentarei discorrer os porquês da melhor maneira possível.
Vamos do começo, mais precisamente vamos partir do que eu acho falho; vamos falar do protagonista. Particularmente, acho o Chuuta menos boçal que o Tsuna (isso comparando começo de cada personagem), porém ele é apenas um personagem ok. Não tem lá cara de protagonista, a primeiro momento; não que isso seja ruim, em especial se compararmos com o padrão da autora, mas ainda assim é um personagem que só simpatizamos pelo fator risos. Mais nada, fora isso temos um elenco de apoio interessante que, a princípio gerou bons momentos de comédia. Porém mesmo tendo um protagonista sem jeito de quem exerce essa função, ele ainda nos cativa por seu jeito de pensar, sempre evitando magoar os outros e se afastando por conta disso.
Alguns pontos que vale menção são a explicação rápida sobre a polícia espacial que, apesar de rápida, funciona bem e não nos deixa tão largados as traças; uma certa referência a Reborn!, que foi bem rápida e sútil, mas ainda conseguiu me arrancar um riso de nostalgia; e também tivemos aquele momento de descoberta sobre o ser com que o Chuuta conversava (que fazia muitos pensarem que ele falava sozinho e que era doido).
Cabe comentar que o roteiro do episódio, de um modo geral, é bem divertido e fluí bem. Não é aquele episódio arrastado ou chato, pelo contrário, é divertido e te deixa com certa vontade de ver como serão as aventuras do Chuuta, enquanto membro da elDLIVE.

Afinal, vale a pena acompanhar?

Se você procura uma história divertida, digna de ser assistida nos fins de semana, sim vale. Do contrário, fuja. O anime é divertido, tem bons momentos e traz todo aquele estilo narrativo que quem acompanhou Reborn conhece, porém é algo feito para ser assistido de modo tranquilo sem esperar demais, sem querer uma obra de grandes proporções ou catástrofes. É algo simples, porém de coração, digamos assim.

No mais, se você se enquadra nos requisitos citados, assiste sem medo, porque a obra é extremamente divertida, descompromissada e promissora. Na minha lista ele está e lá ficará. 
Postar um comentário