sábado, 7 de janeiro de 2017

Primeiras Impressões - Fuuka

Aquela comédia romântica musical que funciona

A temporada segue em pleno vapor e, no meio da enxurrada de lançamento, às vezes acabamos por topar com algumas obras que podem passar sem o devido destaque. O segundo animê que eu, Paulo Ikari, irei passar minhas primeiras impressões é exatamente nessa linha.
Para não estender muito o diálogo, se acomodem e vamos falar sobre Fuuka.

Sinopse:

Dois alunos se juntam e decidem começar uma banda. O projeto deles dá certo e mais pessoas vão se juntando. Mas depois disso algo inesperado acontece.

Considerações

Bem, vamos lá... esse é um daqueles animes que, sinceramente, eu não tinha pretensão alguma de ver quando saiu a lista dos animes de Janeiro (sabe como é, vida corrida, trabalho e várias obras em pauta. O mundo contribuindo para eu não assistir nada nesse mês), mas a vida é uma caixa surpresa e, depois de ler as expectativas de alguns sobre a obra e tal, decidi dar uma chance. E, que sorte a minha.
O anime é, em suma, engraçado e transcorre de uma maneira bem apaixonante. É aquela típica obra para fins de tarde, fora que possuí um plot que te deixa curioso com o que vem a seguir. Admito que fui assistir o primeiro episódio sem saber de nada sobre a série, e quando terminei, corri para assistir o segundo episódio; quando este acabou, fiquei chateado por ter que esperar mais uma semana para ver como a ideia será desenvolvida. E antes que eu me esqueça, cabe esclarecer que o anime tinha lançamento previsto para a data de 06/01, porém o primeiro episódio foi exibido previamente em 29 de dezembro de 2016.
Sem (tentar) me perder muito, creio que caiba uma rápida menção ao fato que o anime contém certas cenas ecchi, mas são coisas que, particularmente não me incomodou, pelo contrário, ficou algo fluído e tranquilo. Consegui aceitar aquelas cenas como parte da trama, mais no propósito de fazer rir, até porque, convenhamos as duas cenas que envolvem a calcinha da Fuuka geram momento hilários. Fora o ecchi, o anime conta com momentos que pedem para o romance, porém esses momentos ocorrem de modo simplista e tímido, não parecendo piegas e forçado, pelo contrário funciona e entretém.
Os personagens, por sua vez, são um charme à parte. É difícil você não os acha-los divertidos por mais que você, a princípio, não se apegue a eles. Destaque para a relação da Fuuka com o Yuu que se desenvolve de modo engraçado e sem pressa, fazendo você curtir a interação entre eles. Creio que o único ponto “negativo” (entre aspas mesmo) do anime é relacionado ao modo como é inserido os possíveis sentimentos de um pelo outro, não fica explicito nem nada, mas fica parecendo algo que está ali pelo motivo de “tem que estar”, entretanto isso não prejudica o plot principal.

Afinal, vale a pena assistir?

Sinceramente, esse é um anime que eu recomendo para todos os públicos, pois ele é divertido e te prende. A animação não é algo que comprometa, ao contrário, é bonita e não apresenta oscilações de qualidade, mas é bem simples se compararmos com muito do que vemos atualmente. Culpa disso, muito provavelmente, é do estúdio Diomedea, que não é nenhum monstro da indústria, porém animação simples não significa que a obra ficou largada as traças e o resultado final prova bem isso.
Quanto a parte do roteiro, ele funciona bem e é fluído, deixando o entendimento fácil para quem não teve contato com a obra pelo mangá. É um anime que vale a conferida e o tempo em frente ao PC.
Postar um comentário