segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Análise semanal - Boku no Hero Academia #122 ao #125

As peças vão se encaixando e prometendo altas confusões

Fala galerinha! Como estão todos? Espero, de coração, que estejam bem e com saudades, pois... EU VOLTEI e agora para ficar . Enfim, depois de muita demora, o bom filho a casa torna com sua análise de Boku no Hero Academia.
Ok, confesso que demorou muito esse retorno, mas uma série de motivos ocasionou isso; muitos deles além da compreensão desse jovem editor. Porém, o importante é que estamos aqui e hoje é dia de falarmos sobre essa última leva de capítulos de Boku no Hero. Então me acompanhem e vamos falar sobre nossos heróis!

Capítulos #122, #123, #124 & #125 – “Uma temporada para encontros”, “Incomparável”, “Problemas à frente!! Episódio: Estudos de trabalho” & “Overhaul”


Vamos começar essa análise falando o básico: o arco está esquentando e rumando para algum lugar. Ponto, onde será o destino final? Não sei, tenho suposições que, provavelmente, não irão bater com a mente do Kohei. Tudo isso porque já notei que não importa o quão longe tentemos imaginar ele ainda vai quebrar essa possibilidade.
Sério, tudo que pensei após o término dos arcos anteriores não ocorreu. Logo, vou parar de supor e apenas seguir a maré. Apenas seguir a mente do autor, comentando o que cada ideia trará de possibilidades. A começar por essa expansão do mundo vilanesco; pois eu não cheguei nem a cogitar que poderia haver outros vilões tão fodas quanto o mãozinho (sim, eu li o nome desse infeliz, mas já esqueci -_-) e mais do que isso, que a indivualidade dele era tão sinistra? Creio que ninguém esperava ver um personagem como o Overhaul tão cedo (isso se esperava), mas ainda assim tivemos ele sendo apresentado e mostrando uma visão bem interessante sobre a questão do mãozinha não ter controle sobre essa liga de vilões, que ele tanto almeja tornar temida. Fora esse psicológico que ele dá nos vilões, ele ainda faz uma proposta bem peculiar e que irá reverberar nos capítulos adiantes. Resta saber como será essa consequência.
Já voltando para nosso núcleo U.A, tivemos apresentação de três novos personagens e, para completar, descobrimos que, muito provavelmente, os primeiranistas farão os Estudos de trabalho; que nada mais são que atuação em campo de modo efetivo, não como estagiários. Nisso conhecemos, dentre os três, aquele que seria o sucessor do All Mighty antes do Midoriya. Conhecemos o Mirio e, na boa, que personagem divertido!
O personagem tem uma individualidade super criativa e, acima de tudo, se parece demais com o Tintim (li isso em um site e concordo), fora que conseguiu gerar um dos momentos que mais ri nessa leva de capítulos. Fora todos esses pontos, ele ainda nos dá um belo exemplo de não existência de individualidade ruim ou inútil, porque todas elas podem se aprimorar e até os pontos fracos, podem virar pontos fortes. Tudo basta do quanto você se esforça e foca nisso.

No mais, creio que essa sequência de capítulos serviu para acabar com a monotonia e nos mostrar que teremos uma vasta tempestade a caminho e, o que pode resultar isso só a mente do Kohei pode nos dizer. Há quem chute um possível time Skip daqui há algum tempo, assim como muitos que apostam na morte do All Mighty. Eu, por minha vez, apenas aposto em um momento mais oportuno vindo aí, momento esse perfeito para trabalhar toda questão de legado que, aos poucos, vem sendo inserido nessa narrativa. 
Postar um comentário